Pessoas idosas equivalem a 11,84% da população total do DF

Estudo do IPEDF aponta que, nos últimos três anos, houve um envelhecimento de 34,5% da população acima de 60 anos

102

Em continuidade à série Retratos Sociais Distrito Federal 2021, o Instituto de Pesquisa e Estatística do DF (IPEDF) divulgou, nesta terça-feira (8), estudo que apresenta os aspectos demográficos e socioeconômicos, de acesso à tecnologia e a serviços de saúde da população idosa da capital federal.

Perfil sociodemográfico

Dados da Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios (Pdad) mostram que entre a penúltima e a última edição (2018 e 2021) houve um envelhecimento populacional no DF de 4,5%. Entre as pessoas idosas, essa porcentagem foi de 34,5%. Em 2021, o quantitativo equivalia a 11,84% (356.514 pessoas) da população total na capital. Desse número, a distribuição etária é semelhante entre homens (35,1%) e mulheres (32,3%), e grande parte tem entre 60 e 64 anos.

A proporção da população autodeclarada negra, de acordo com o levantamento, era de 52%. Comparando com os números de 2018, o levantamento mais recente observou uma pequena mudança na proporção da população idosa que se declarou como negra, principalmente entre os homens, que anteriormente era de 51,7%. Para as mulheres, a proporção em 2018 foi de 48,4%.

No tópico naturalidade, 94% dessa população nasceram fora da capital. Desse total, 62,9% migraram dos nove estados da região Nordeste. Ao que se refere a questões de gênero, 10,6% se identificaram como LGBTQIA+, ou seja, como transgêneros e/ou lésbicas, gays, bissexuais ou outros, percentual maior que o da população geral do DF (3,8%).

Nas questões de gênero, 10,6% se identificaram como LGBTQIA+, percentual maior que o da população geral do DF (3,8%)

No quesito educação, 26,8% das pessoas idosas do DF têm nível superior completo. Por outro lado, 24,1% possuem o fundamental incompleto. Já os sem nenhuma instrução representam 12% do grupo. A proporção com nível superior completo varia de 18,3%, no grupo de 85 anos ou mais, a 28,6%, entre as pessoas de 60 a 64 anos.

Acesso aos serviços de saúde

No DF, a maioria das pessoas do grupo não possui plano de saúde (56,5%). Considerando o número de 2018, houve um aumento de 4,4 pontos percentuais, uma vez que esse número era de 52,1%. Entre mulheres e homens, a diferença percentual foi mínima, 56,3% e 56,9%, respectivamente.

Os planos de saúde estão mais presentes entre a maior faixa etária, ou seja, quanto maior a idade, maior a proporção de adesão ao serviço. Na faixa de 60 a 64 anos, 39,3% possuem plano de saúde. No grupo etário de 75 a 79 anos, 45,1%. Entre as pessoas com 85 anos, 48,9%.

No serviço público de saúde, 49% dos idosos procuraram unidades básicas de saúde (UBS). Os principais motivos para utilização dos sistemas de saúde foram para vacinação (38%); dor ou febre (23%); e continuidade de algum tratamento (12,9%).

Acesso à tecnologia

Em 2021, 66% das pessoas idosas do DF acessaram a internet. A proporção de acesso foi semelhante entre homens e mulheres, 67% e 65%, respectivamente. Dos que acessaram a internet, 87% o fazem diariamente.

Acesse aqui o Retratos Sociais 2021 Pessoas Idosas.

*Com informações do Instituto de Pesquisa e Estatística 

Por Agência Brasília com informações de Sueli Moitinho

Foto: Paulo H. carvalho/Agência Brasília / Reprodução Agência Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui