CLDF aprova IPTU de 2023 com índice de correção inferior ao proposto pelo GDF

A previsão era que a Casa fizesse nova sessão para apreciar o tema em segundo turno, o que não aconteceu até o fechamento desta matéria.

92

Na tarde desta terça-feira (13/12), como acontece no final de todos os exercícios financeiros, a Câmara Legislativa do Distrito Federal apreciou o projeto de lei do Executivo que estabelece a pauta de valores venais de terrenos e edificações, para fins de lançamento do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU). O PL nº 3.023/2022 chegou à Casa prevendo um reajuste de 7,19%; mas uma emenda acatada pelo Plenário limitou o índice de correção a 5,97% do valor lançado no exercício de 2022.

Apresentada pelo Bloco Democracia e Resistência (PT/PSOL), a emenda acaba por limitar o IPTU ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado de dezembro de 2021 a novembro de 2022, que ficou em 5,97%. Vale destacar que esse percentual deverá ser aplicado desde que mantidas inalteradas as características físicas e jurídicas do imóvel.

De acordo com Agaciel Maia (PL), relator do projeto na Comissão de Economia, Orçamento e Finanças (CEOF), o impacto da redução da correção do IPTU será de R$ 255 milhões. O distrital ponderou que isso vai obrigar o governo a avaliar onde irá cortar despesas, mas, por outro lado, a medida também poderá evitar o aumento da inadimplência.

“Eu não conheço nenhuma categoria de trabalhador que tenha tido aumento acima da inflação, a maioria sequer teve aumento”, afirmou Chico Vigilante (PT). Para ele, a redução do índice de correção é uma forma de se fazer “justiça social”.

O projeto foi aprovado, em primeiro turno, com 19 votos favoráveis e dois contrários, dos deputados Professor Reginaldo Veras (PV) e Júlia Lucy (União Brasil). Ambos argumentaram que o imposto não deveria ter qualquer aumento.

A previsão era que a Casa fizesse nova sessão para apreciar o tema em segundo turno, o que não aconteceu até o fechamento desta matéria.

Por Mayra Dias do Jornal de Brasília

Foto: Carlos Gandra/CLDF / Reprodução do Jornal de Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui