Ler é Legal: Projeto do MPDFT consiste no empréstimo de livros para os brasilienses

O projeto consiste no empréstimo de livros variados a qualquer pessoa, esteja ou não vinculada a algum processo judicial

114

Incentivar o hábito da leitura e criar um espaço de diálogo, respeito e compreensão. Esse é o objetivo do projeto “Ler é legal”. A população que circula pelo Fórum Leal Fagundes tem à disposição 500 livros para empréstimo de temáticas variadas. Basta escolher um exemplar, que pode ser devolvido em qualquer promotoria de Justiça do DF. Além de garantir horas de prazer, a leitura alimenta o raciocínio e auxilia as pessoas a tomar decisões inteligentes e maduras. Pensando nisso, o projeto Ler é legal foi criado pelas Promotorias de Justiça do Fórum Leal Fagundes para incentivar a leitura entre os que circulam por lá. Consiste no empréstimo de livros variados a qualquer pessoa, esteja ou não vinculada a algum processo judicial.

A procuradora-geral de Justiça do DF, Fabiana Costa, ressaltou o papel do projeto na divulgação de autores do DF, além do papel social da iniciativa. “Hoje, ao conceder essa premiação, queremos homenagear escritores locais e dar reconhecimento à produção literária no Distrito Federal. Com esse gesto, esperamos reforçar os ideais do projeto Ler é Legal e reconhecer o esforço de todos que trabalharam pela sua viabilidade”, disse.

Os interessados poderão fazer o empréstimo de um livro e até levar outro para pessoas de sua convivência, pois a leitura em família cria um canal de diálogo e cumplicidade saudável entre seus integrantes.

O promotor de Justiça Fausto Rodrigues, um dos idealizadores do projeto, disse que o projeto Ler é Legal surgiu da ideia de trazer a arte como ferramenta de aproximação do Ministério Público com a sociedade. Além disso, destacou o papel transformador que a literatura tem. “O livro foi e ainda é o maior objeto tecnológico já feito pelo ser humano, se tornando a ferramenta mais poderosa da história da humanidade”, afirmou. É possível também participar doando livros de que gosta, dando dicas de leitura e indicando escritores do Distrito Federal.

Em 2017, o projeto foi ganhador do Prêmio IPL – Retratos da Leitura, na categoria Bibliotecas.

Periodicamente, o projeto realiza homenagens a escritores(as) residentes no DF com o objetivo de dar reconhecimento ao trabalho de escritores locais.

Desde 2016, o projeto incentiva a leitura e cria um espaço de diálogo, respeito e compreensão. A população que circula pelo edifício das Promotorias de Justiça de Brasília II tem à disposição 500 livros para empréstimo sobre temas variados. Basta escolher um exemplar, que pode ser devolvido em qualquer Promotoria de Justiça do Distrito Federal. A iniciativa também dispõe de um espaço infantil para que mães e pais possam deixar seus filhos entre os livros enquanto são atendidos, em observância a protocolos internacionais que tratam do acolhimento de famílias.

Era da tecnologia

Fausto salienta ainda que os smartphones e as redes sociais são um poderoso passatempo nos dias atuais, “dificultando o interesse por hábitos saudáveis. Mas, quando as pessoas insistem em ler livros, a atividade vai se tornando cada vez mais prazerosa”, pontuou. “A pandemia trouxe uma nova situação com o trabalho virtual, de modo que as pessoas estão circulando menos pela Promotoria. Mas continuaremos com o projeto, mantendo o seu acervo e sugerindo que as pessoas entrem na nossa página na internet para indicar escritores a serem lidos e possivelmente homenageados anualmente”, completou o idealizador.

Por Redação do Jornal de Brasília

Foto: Reprodução Jornal de Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui