Calouros fazem festa com a aprovação na UnB

Com direito a muita tinta e festa na UnB, estudantes que deixaram recentemente a escola celebraram o início da sua vida acadêmica na federal

103

A Universidade de Brasília (UnB) ganhou 2.118 novos estudantes ontem, quando os tradicionais listões com os nomes dos aprovados foram divulgados no Teatro de Arena do Campus Darcy Ribeiro. Os novos universitários ingressaram na instituição através da primeira chamada do Programa de Avaliação Seriada (PAS), que direciona estudantes que acabaram de terminar o ensino médio para o início da sua experiência no nível superior.

Quando os listões foram liberados, às 17h, os vestibulandos correram para conferir se os nomes estavam entre os contemplados. Nas escadas do Teatro de Arena, estudantes veteranos aguardaram os novos calouros com batucadas, cartazes, tintas guache e farinhas de trigo.

O final de tarde foi marcado por lágrimas de alegria tanto daqueles que, com muito esforço, conquistaram o sonho de ingresso na UnB. Ver o seu nome entre os aprovados foi uma emoção única para jovens de diferentes cidades, rotinas de estudos e realidades econômicas, que agora vão poder desfrutar de um ensino gratuito e de qualidade ofertado pela instituição.

Alô, mãe! Tô na UnB!

Uma das calouras que foram até o Teatro de Arena para conferir a lista de aprovados foi Gabrielle Silva das Neves, de 18 anos. Em outubro do ano passado, ela deu uma entrevista para o Jornal de Brasília dizendo que estava confiante para fazer a avaliação. Ontem, ela viu que era a mais nova estudante de Ciências Sociais. “Ver que eu consegui passar de primeira. Eu estou me tremendo até agora, é muito importante para mim. Eu estou muito, muito feliz”, disse a estudante.

Gabrielle sempre estudou em escolas públicas de Planaltina, cidade onde nasceu e cresceu. Por conta da distância do campus Darcy Ribeiro, a UnB sempre foi para ela uma “realidade distante”. A distância, porém, foi vencida graças à sua dedicação. Agora, a futura cientista social deseja que outros estudantes de periferias do DF tenham a mesma oportunidade de ocupar a universidade pública.

“É muito importante que as pessoas que moram nas periferias, nas cidades-satélites, sejam aprovados. A gente sabe que não é fácil, mesmo com as cotas é muito difícil, principalmente para a gente que estuda pública e não tem uma preparação que nem o pessoal das escolas particulares tem”, disse.

Ao falar com a nossa equipe de reportagem, a caloura pediu para deixar um recado especial para a sua mãe, Antônia Andréia da Silva, de 43 anos. Vinda do Ceará, Antônia trabalha como copeira ao longo do dia para dar, sozinha, um sustento para as duas filhas. Agora, ambas são estudantes da Universidade de Brasília.

“Eu tenho que agradecer a ela, porque se não fosse por todo o esforço que ela fez para que eu não precisasse trabalhar, tendo a oportunidade de só ficar estudando, eu não estaria aqui. Essa mulher é o motivo de eu estar aqui. Ela é a principal razão de eu ter lutado para eu ter chegado aqui na UnB”, disse Gabrielle, em recado para Antônia Andréia, sua mãe.

Amizades antigas vão continuar

A divulgação dos resultados dos aprovados do PAS foi especial para a dupla de amigas Rayssa Galante, de 17 anos, e Júlia Araújo, de 18 anos. Parceiras de longa data, as duas estudavam juntas enquanto eram alunas do Colégio Marista da Asa Sul. “Eu acho que é inexplicável, principalmente porque a gente faz parte do mesmo grupo e muita gente disse que isso era perda de tempo. Mas no fim, isso ajudou muito a gente”, disse Rayssa.

Agora, Júlia é a nova estudante de Biologia, enquanto que Rayssa irá começar a cursar Farmácia a partir de 28 de março, quando terá início o próximo semestre da UnB. As amigas, que vão seguir juntas no dia-a-dia dos estudantes, prometem que a amizade irá se fortalecer no futuro. “A gente ainda vai ver, mas pelo menos o almoço no Restaurante Universitário irá ter!”, destacou Galante.

Outro calouro que vibrou bastante com a sua aprovação na UnB foi João Alves, de 18 anos, que a partir de ontem se tornou o novo estudante de Ciências Biológicas. Estudante do Centro de Ensino Médio de Taguatinga Norte (CEMTN), o jovem dedicou a sua aprovação para os seus professores. “Sempre acreditaram na gente e sempre disseram que tudo é possível. No futuro, eu quero voltar lá como professor e fazer o mesmo que fizeram por mim”, disse o calouro bastante emocionado.

Recepções começaram na semana passada

As recepções de novos estudantes da UnB começaram na segunda-feira da semana passada, quando a instituição revelou os nomes de 2.158 calouros que fizeram o Vestibular 2023. As festas, que também aconteceram no Campus Darcy Ribeiro, reuniu vestibulandos de todos os estados que puderam comemorar os seus ingressos.

Uma das jovens que celebraram a sua aprovação foi Isabel Gonçalves, de 18 anos, que é a mais nova estudante do curso de Design. Temendo um desapontamento, ela não pretendia ir até o Teatro de Arena, mas foi convencida por Gabriela, sua professora, que a acompanhou durante toda a sua caminhada rumo à UnB.

“A recepção foi melhor do que eu esperava. Eu não queria vir, eu queria ver de forma online. A minha professora me convenceu, e aí a gente veio e foi muito legal. Para me preparar, eu resolvi muita questão, no máximo que eu consegui. Eu estudei muitas obras e estudei muito a redação”, disse a caloura.

As festas também atraíram a estudante Kéttrin Helena, estudante do sétimo semestre de Pedagogia de 21 anos, que preparou um cartaz para dar boas-vindas para as novas pessoas do seu curso. Para Helena, que já está concluindo a sua graduação na UnB, o dia foi especial para se lembrar de quando ela sentiu a mesma emoção. “Eu senti uma esperança de que novas pessoas como eu ocupem o espaço da universidade pública. Pessoas pretas, periféricas e pobres”, afirmou.

Por Redação do Jornal de Brasília

Foto: Gabriel de Sousa / Reprodução Jornal de Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui