MPF vai apurar se houve irregularidades no descarte de vacinas e medicamentos

Os produtos vencidos desde 2019 custaram ao menos R$ 2,2 bilhões. O Ministério Público Federal vai verificar possíveis atos de improbidade administrativa e danos ao patrimônio

124

A Procuradoria da República no Distrito Federal determinou a abertura de inquérito civil para apurar se houve irregularidades no descarte de medicamentos comprados pelo Ministério da Saúde que perderam a validade nos últimos cinco anos.

A medida ocorre após reportagens da Folha de S.Paulo revelarem a perda de 39 milhões de vacinas da Covid-19 durante a pandemia. Ainda foram incinerados, na gestão Jair Bolsonaro (PL), medicamentos de alto custo para doenças raras e 1 milhão de canetas de insulina.

Os produtos vencidos desde 2019 custaram ao menos R$ 2,2 bilhões. O Ministério Público Federal vai verificar possíveis atos de improbidade administrativa e danos ao patrimônio.

A determinação foi assinada na segunda-feira (20/03) pela procuradora da República Anna Carolina Resende Maia Garcia.

Ela ordenou que o Ministério da Saúde mostre quais medicamentos foram descartados nos últimos cinco anos por causa do fim da validade.

A pasta ainda deve apontar os nomes de responsáveis pela distribuição desses medicamentos e quais medidas passou a adotar para evitar novas perdas de produtos.

O governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) culpa a gestão Bolsonaro pela perda dos medicamentos e vacinas.

Em nota, a Saúde disse que o cenário de perda de vacinas, medicamentos e outros insumos “reflete o descaso do governo anterior, que negou à equipe de transição informações sobre estoques e validade desses produtos”.

A pasta afirma que trabalha para adequar estoques e melhorar a distribuição dos produtos.

O MPF também vai questionar a Febrararas (Federação Brasileira das Associações de Doenças Raras) sobre “eventuais iniciativas” apresentadas pela entidade ao ministério contra o desperdício de medicamentos para pacientes de doenças raras.

O presidente da federação, Antoine Daher, disse que propôs ao governo Bolsonaro mecanismos para melhorar a distribuição dos medicamentos, por exemplo, redistribuindo frascos que não foram usados.
“Fizemos a proposta, e infelizmente o ministério, depois que aplaudiu a ideia, não levou adiante”, disse Daher, que é pai de um paciente com síndrome de Hunter.

Os dados sobre estoques da Saúde estavam sob sigilo desde 2018. No fim de fevereiro, a CGU (Controladoria-Geral da União) recomendou revisão dessa reserva. A pasta comandada por Nísia Trindade liberou, por enquanto, a relação de produtos descartados ou que foram encaminhados para a incineração.

Questionado durante a última semana sobre as perdas, Marcelo Queiroga afirmou que não tem dados sobre estoques e que essas informações ficam sob cuidado das áreas técnicas. Ele comandou o ministério de março de 2021 a dezembro de 2022.

Já Luiz Henrique Mandetta, ministro da Saúde de janeiro de 2019 a abril de 2020, disse que no período em que comandou a pasta houve esforço para adequar a gestão dos estoques, ao transferir os produtos de armazéns no Rio de Janeiro para uma central em Guarulhos, na Grande São Paulo.

O atual deputado federal Eduardo Pazuello (PL-RJ), que também foi ministro da Saúde no governo Bolsonaro (de junho de 2020 a março de 2021), não se manifestou.

ESTOQUES PERDIDOS DO SUS

Produtos descartados a partir de 2019
Vacinas para Covid-19: 39 milhões de doses (estimados em R$ 2 bilhões)
Outras vacinas: 7,4 milhões de frascos (estimados em R$ 128 milhões)
Caneta de insulina: 1 milhão de unidades (estimado em R$ 15 milhões)
Terapias de doenças raras: ao menos 12 tipos (estimados em R$ 13 milhões)
Outros insumos: cerca de R$ 96 milhões
Total perdido: cerca de R$ 2,2 bilhões

Por FolhaPress via Jornal de Brasília

Foto: Reprodução Carta Capital

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui