Nova turma de costura da Fábrica Social do DF tem seis imigrantes

Além dos conhecimentos específicos para esse aprendizado, as alunas desenvolvem noções de empreendedorismo e inteligência emocional

55

Uma nova turma de mulheres está sendo capacitada para corte e costura na Fábrica Social. As aulas começaram na última sexta-feira (14), por meio de programa desenvolvido pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda (Sedet). A fábrica fica na Cidade do Automóvel, na Estrutural.

Segundo a subsecretária de Integração de Ações Sociais,  Daniele Lúcia dos Passos, atualmente são 448 alunos matriculados nos turnos da manhã e da tarde. Das vagas ofertadas, 210 são ocupadas por mulheres. A expectativa é capacitar todo o pessoal até o final do ano, a fim de que os novos profissionais possam seguir para o mercado de trabalho ou como empreendedores individuais. Atualmente, informa ela, está sendo estudada a possibilidade de os alunos produzirem enxovais para a Secretaria de Saúde (SES).

A gestora vê com entusiasmo a presença de alunos de outros países na Fábrica Social – nesse curso, são seis alunas venezuelanas. “Para a gente é muito importante, porque proporciona uma interação com uma cultura diversa, uma língua diversa, e demonstra também a preocupação do GDF com a questão dos imigrantes”, pontua. 

Lorena Cardoso mora em Taguatinga e é uma das alunas na nova turma de costura. “Há dez anos eu saí do mercado de trabalho, estava só dentro de casa cuidando dos meus filhos”, conta. “Tinha esse interesse em fazer algo manual, trabalhar em casa com o que gosto, empreender, ter minha renda e até me vestir com qualidade. Estou encantada com essa gama de possibilidades daqui.”

Moradora da Estrutural, a aluna Maria de Jesus Costa também se mostra animada com as aulas: “Eu quero muito aprender a bordar nas máquinas, que são lindas. Não sei tudo, só o básico mesmo, consertos e algumas peças. Eu quero fazer alta costura, porque a qualificação é muito importante”.

Preparação para o mercado

Professora na Fábrica Social, Gladis Maria da Silva Padilha estava usando um avental costurado pelas alunas enquanto falava do trabalho feito na Fábrica Social. De acordo com a pedagoga, o projeto passa por todos os segmentos da indústria da confecção: corte, modelagem, costura em tecido plano inicial, malharia, serigrafia, bordado computadorizado, técnicas de criatividade, entre outros. As aulas são montadas para que as alunas possam associar tudo isso e transformar em algum nicho de mercado, criando a própria renda.

“Essa escola, nesse porte, com todos esses equipamentos industriais, só existe aqui em Brasília”, reforça a gestora. “Tanto que vêm pessoas de outros países conhecer o projeto. As meninas costumam ser receptivas, elas abraçam mesmo os imigrantes. A gente tem que ter criatividade na hora de administrar uma aula, falar um pouquinho de francês, espanhol, inglês… E ao mesmo tempo elas vão aprendendo com as próprias colegas a se comunicar. Elas desenvolvem bem os trabalhos aqui, têm uma formação completa, conhecimentos que vão abrir portas em pelo menos dez oportunidades diferentes.”

Entre os módulos oferecidos no curso, um trata sobre empreendedorismo e qualificação social, abordando comportamento no mercado de trabalho, autoconhecimento, relações interpessoais, o que é exigido numa entrevista, proatividade, inteligência emocional e empoderamento.

Quem tiver interesse em participar do programa da Fábrica Social deve ficar de olho no site da Secretaria de Trabalho e nos editais de chamamento para se inscrever. Caso haja dificuldade com a internet, a pessoa pode fazer a inscrição em qualquer agência do trabalhador.

Por Agência Brasília

Foto: Lúcio Bernardo Jr./Agência Saúde / Reprodução Agência Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui