Monitoramento da qualidade do ar no DF é discutido em visita técnica

Brasília Ambiental recebeu representantes da organização global Environmental Defense Fund, em reunião para troca de experiências nesse trabalho

57

O Instituto Brasília Ambiental recebeu, nessa terça-feira (15), representantes da organização internacional sem fins lucrativos Environmental Defense Fund (EDF – Fundo de Defesa Ambiental, em português), dos Estados Unidos, que vieram conhecer as ações de monitoramento da qualidade do ar desenvolvidas no Distrito Federal.

“Quando cheguei ao órgão e conheci o trabalho realizado pela Diretoria de Emergências Riscos e Monitoramento Ambiental [Direm] de monitoramento da qualidade do ar, percebi que é uma ação muito específica e relevante, e muita gente não sabe da importância dessa ação para a qualidade de vida da população. Agradecemos o interesse da EDF nesse trabalho”, disse o presidente do Brasília Ambiental, Rôney Nemer.

No período da manhã, na sede da autarquia, foi realizada uma reunião durante a qual a EDF apresentou suas ações e o objetivo de sua visita no Brasil, que é explorar cenários distintos relacionados ao estudo da qualidade do ar. “Viemos conhecer as necessidades, dificuldades e oportunidades que o Brasil enfrenta relacionados a esse tema. Estamos trabalhando para apoiar a América Latina por meio de uma aliança com os países”, explicou  o diretor sênior de Políticas da EDF,Sergio Sanchez.

O Brasília Ambiental apresentou sua estrutura e falou do programa de Monitoramento da Qualidade do Ar desenvolvido no local. O projeto é regulamentado pela resolução Conama n° 491/2018 e determina a concentração dos poluentes atmosféricos elencados como prioritários pela legislação, com o objetivo de avaliar e acompanhar sua evolução para fundamentar políticas públicas e estudos técnicos.

O evento contou também com a participação de analistas do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e do Ministério da Saúde, além de representantes da Secretaria de Saúde do DF (SES), do Centro de Informações Meteorológicas e Hidrológicas de Goiás e da Secretaria de Saúde do Estado de Goiás.

Segundo o diretor da Superintendência de Fiscalização, Auditoria e Monitoramento (Sufam) do Instituto, Charles Almeida, uma cooperação com a EDF seria muito interessante para o Brasília Ambiental. “Por terem experiência no mundo inteiro, a organização pode trazer ações bem-sucedidas de vários países; e, como estamos em um trabalho inicial de construir nossa rede de monitoramento, eles podem ajudar com vários exemplos, como aconteceu nesta reunião”, afirmou.

Após a reunião, a equipe do instituto levou a comitiva para conhecer duas das cinco estações de monitoramento da qualidade do ar, localizadas na Rodoviária e na região da Fercal.

*Com informações do Brasília Ambiental

Por Agência Brasília

Foto: Divulgação/Brasília Ambiental / Reprodução Agência Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui