Práticas integrativas ajudam brasilienses a ter mais qualidade de vida

Da fitoterapia aos exercícios e posturas orientais milenares, população encontra na rede pública da capital amparo para dores e doenças físicas e emocionais

18

Muito além da cidade dos monumentos, qualidade de vida é uma das características mais marcantes de Brasília, com inúmeras regiões arborizadas e opções de lazer ao ar livre. Aqui, essas características favorecem um estilo de vida saudável e corroboram para a adoção de práticas integrativas, que aliam cuidados com o corpo e a mente na rede pública de saúde. No especial Viva Brasília 64 anos, a Agência Brasília ressalta aspectos que diferenciam a capital federal – como uma rede pública de saúde que inclui práticas alternativas.

As práticas integrativas são abordagens terapêuticas com foco na prevenção de doenças e recuperação da saúde, com a promoção do cuidado integral do ser humano, especialmente o autocuidado. São atividades que levam em conta tanto aspectos físicos quanto mentais, emocionais e sociais.
A adoção dessas práticas em Planaltina, há 40 anos, se espalhou por Brasília e outras cidades do país. É o caso da fitoterapia e de práticas milenares orientais como yoga e tai chi chuan, que passaram a ser incorporadas no então posto de saúde da cidade, onde hoje funciona o Centro de Referência de Práticas Integrativas (Cerpis).

Mente e corpo

A artesã Nilzabeth Dourado da Silva Almeida, 62, é uma das pessoas que confirmam a eficiência dessas práticas. Antes de começar a frequentar o Cerpis, há dois anos, ela sofria com crises de depressão. Hoje, no local, Nilzabeth  participa das rodas de bate-papo e pratica yoga, tai chi chuan e automassagem. “É muito importante para a minha saúde, corpo e mente”, resume. “Venho todos os dias, e isso tem me ajudado bastante, porque também convivo com outras pessoas”.

O GDF também atua com a produção de medicamentos fitoterápicos a partir do cultivo de plantas nos chamados hortos agroflorestais medicinais biodinâmicos. Esses medicamentos elencam a Secretaria de Saúde (SES-DF) como pioneira na oferta de alternativas para tratamento.

O gerente de Práticas Integrativas em Saúde da secretaria, Marcos Trajano, afirma que os hortos agroflorestais ajudam a desenvolver nas pessoas o senso de autocuidado. “Por isso as práticas integrativas em saúde são, sem dúvida nenhuma, o recurso que mais nos aproxima a uma harmonia do ambiente e das pessoas que estão ao seu redor”, afirma. 

Promoção da saúde

A gerente da unidade do Cerpis em Planaltina, Sandra Brusasco, lembra: “Para evitar novas doenças, é preciso promover a saúde”. Por isso, além de todas as práticas, a unidade foca a interação social da população. 

“Temos inúmeros relatos de pacientes que reduziram medicações depois que passaram a frequentar o Cerpis”, conta. “Então, vamos revitalizar o espaço para ficar ainda mais acolhedor.”

Cuidado integral

A farmacêutica Isabele de Aguiar Bezerra, chefe da Farmácia Viva de Planaltina, conta que o cuidado vai além de realizar tratamentos ou prescrever remédios. Há cultivo de plantas medicinais, onde as mudas são distribuídas à população, que também recebem orientação sobre o uso seguro. Lá também são manipuladas as plantas que se transformam em medicamentos fitoterápicos, distribuídos nas unidades básicas de saúde (UBSs). Tudo aliado com as práticas integrativas.

“A gente olha o ser humano como um todo”, reforça Isabele. “O intuito é devolver para as pessoas seu próprio domínio. Aqui falamos em saúde, não em doença. E estamos todos juntos, cada um com suas individualidades. Aqui é porta aberta. É só chegar e participar”.  O Cerpis também disponibiliza uma pista de caminhada, aberta das 6h às 19h.

Saúde e memória afetiva

Os fitoterápicos são distribuídos em dezenas de UBSs em todo o DF. O pizzaiolo Deibison Cardoso Machado, 27, é um dos beneficiários. Morador do Riacho Fundo, ele está usando xarope de guaco, receitado na UBS 1 da cidade.

Deibison conta que sempre opta por medicamentos mais naturais: “Para mim, faz grande diferença. Eu vim da roça, e minha avó sempre tratou a gente com chás e xaropes que fazia com as plantas que pegava no mato”.

Por Ana Paula Siqueirs da Agência Brasília

Foto: Lúcio Bernardo Jr./Agência Brasília / Reprodução Agência Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui