CLDF aprova projeto que assegura alimentos para estudantes da rede pública

73

A distribuição dos alimentos deverá ser acompanhada e fiscalizada pelo Conselho Alimentar Escolar.

Nesta terça-feira (29), a CLDF aprovou um projeto que visa garantir a ditribuição de alimentos durante o período que durar a pandemia do Covid-19. Os distritais votaram favoravelmente ao projeto de lei nº 1.100/2020, do deputado Chico Vigilante (PT), que garante a segurança alimentar de alunos de instituições públicas de educação básica, durante a suspensão das aulas por causa de situações de emergências ou calamidades públicas. O projeto vai à sanção do governador Ibaneis Rocha.

De acordo com o texto aprovado, enquanto perdurar a suspensão de aulas nas escolas públicas de educação básica, o governo fica autorizado a distribuir aos pais dos alunos matriculados os alimentos já adquiridos para a preparação das merendas escolares. A distribuição dos alimentos deverá ser acompanhada e fiscalizada pelo Conselho Alimentar Escolar.

Mudança na lei sobre renovação automática

Os distritais também aprovaram o projeto de lei nº 980/2020, do deputado Martins Machado (Republicanos), que a Lei n.º 6.075/2018, que proíbe a renovação ou contratação automática de prestação de serviços ou fornecimento de produtos sem a inequívoca anuência do consumidor. O objetivo da mudança, segundo o autor, é deixar mais claro quais renovações estão proibidas. O texto vai agora à sanção do governador.

Segundo o texto aprovado, “ficam as empresas fornecedoras de produtos ou prestadoras serviços por assinatura proibidas de renovar automaticamente os contratos de assinatura sem a inequívoca anuência do consumidor no ato da renovação”. Em outro ponto, “fica proibida a prática de contratação automática de prestação de serviços ou fornecimento de produtos por assinatura após período de avaliação gratuito sem a inequívoca anuência do consumidor no ato da contratação”. As proibições não se aplicam a serviços ou produtos oferecidos por instituições financeiras ou de pagamento.

Brasília e Macau, cidades irmãs

Foi aprovado ainda o projeto de lei nº 477/2019, do deputado Delmasso (Republicanos), que declara Brasília-Brasil e Macau-China Cidades Irmãs. Segundo Delmasso, o acordo possibilitará a troca de experiências entre os parlamentos de Brasília e Macau, intercâmbio com envio de profissionais, técnicos e assessores em diferentes áreas do processo legislativo, objetivando o fortalecimento dos laços de amizade entre as duas Casas Legislativas de ambas as cidades. A cooperação também tem como finalidade trocar boas práticas públicas, sobretudo nas áreas de planejamento urbano, habitação, transporte, sustentabilidade, educação, cultura, turismo e atração de investimentos.

Por Informações da CLDF via Jornal de Brasília com informações de Sueli Moitinho do Painel da Cidadania

Foto Reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui