DF tem três mulheres e um homem no golbol paralímpico de Tóquio

Leomon Moreno, considerado o melhor jogador da modalidade no Brasil, enfrenta a Lituânia na quarta (25/08/21), data da abertura dos jogos mundiais

3090

Os Jogos Paralímpicos de Tóquio dão partida nesta terça-feira (24/08/21) com as primeiras disputas já programadas para o mesmo dia. No golbol, modalidade desenvolvida exclusivamente para pessoas com deficiência visual, que contabiliza quatro representantes do Distrito Federal, a seleção brasileira masculina enfrenta a Lituânia a partir das 21 horas do dia 24, e a feminina joga contra os Estados Unidos, a partir das 5h30 do dia 25.

Faz parte da equipe masculina o ala brasiliense Leomon Moreno, de 28 anos, que iniciou na capital federal a trajetória esportiva em campeonatos escolares, regionais e brasileiros, até conquistar uma vaga na seleção principal. A convocação veio junto com títulos individuais, como artilheiro de campeonato, melhor jogador de golbol do Brasil, melhor atleta paralímpico brasileiro de 2014 e da Europa, onde defende o Sporting de Portugal, ao mesmo tempo em que representa o Santos Clube, de São Paulo.

“Nossa expectativa aqui em Tóquio é nada menos que o ouro. Nós temos já o bronze e a prata paralímpicos. Então para completar o nosso quadro de medalhas, a gente, com certeza, tem em mente o ouro. Temos esse potencial e estamos trabalhando firme para chegarmos em ótimas condições”, vislumbra Leomon, que já viajou pelo Compete Brasília, da Secretaria de Esporte e Lazer (SEL), quando competia na cidade.

O Centro Olímpico e Paralímpico (COP) de São Sebastião revelou dois talentos da modalidade, que participam, pela primeira vez, dos Jogos Paralímpicos

Do COP de São Sebastião

O Centro Olímpico e Paralímpico (COP) de São Sebastião revelou dois talentos da modalidade, que participam, pela primeira vez, dos Jogos Paralímpicos. As alas Jessica Gomes Vitorino, 28 anos, de Brasília, e Kátia Aparecida Ferreira, 26 anos, de Unaí (MG), treinam juntas no local. As duas também são beneficiadas pelos programas Bolsa Atleta e Compete Brasília, da SEL. As meninas já estão em treinamento na quadra oficial dos jogos.

“As expectativas são as melhores. A gente veio buscar essa medalha em uma viagem muito longa, muito cansativa. Mas estamos com muita esperança e determinação para levarmos essa medalha. Um sonho que não é só meu, mas dos treinadores, dos clubes que representamos, de todos”, destaca Kátia, que conseguiu sua vaga no início deste ano. No feminino, o Brasil corre atrás de sua primeira medalha de ouro paralímpica.

Já Jéssica Gomes ostenta em seu currículo o bicampeonato nos Jogos ParapanAmericanos (Lima 2019 e Toronto 2015); o bronze no Mundial de Goalball Malmö 2018; e a prata no Campeonato das Américas 2017 em São Paulo. “Conheci o golbol em 2009, quando fui convidada para participar das Paralimpíadas daquele ano. Aceitei e daí por diante foi amor completo a esse esporte”, relembra a brasiliense.

Por fim, Ana Gabriely Brito, 31 anos, completa a equipe. Nascida em Brasília, conheceu a modalidade no Rio de Janeiro, onde morava, e atualmente joga no time do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP). Sua primeira convocação para a seleção foi em 2016 e fez parte da formação que levou o ParapanAmericanos de Lima 2019 e o bronze no Mundial de 2018.

*Com informações da SEL

Por Agência Brasília com informações de Sueli Moitinho

Foto: Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui