Autonomia financeira e reforço da autoestima feminina no DF

Realize, da Secretaria da Mulher, que desenvolve as competências socioemocionais, promoveu encontro em Brazlândia. Evento será realizado em equipamentos que acolhem pessoas em situação de vulnerabilidade e de violência doméstica e familiar

99

Mulheres se reuniram na Escola Técnica de Brazlândia para debater sobre habilidades socioemocionais e empreendedorismo. A maioria ouvia falar, pela primeira vez, desses conceitos e começava a entender que sentir e agir estão interligados. Para ter sucesso no trabalho, é preciso investir na autoestima, no autoconhecimento e reforçar a confiança em si mesma.

“O objetivo do Realize é fazer essa jornada interior, de autoconhecimento, que vai potencializar e transformar essa mulher e a perspectiva que ela tem da vida, para que alcance seus objetivos”Dênis Reis, coordenador do programa Realize

O contrário também é verdadeiro. Quando a mulher acredita em seu potencial, ela constrói um caminho de sucesso profissional. Esta é justamente uma das propostas do Programa Realize, da Secretaria da Mulher (SMDF), que é desenvolver as competências socioemocionais com foco no trabalho e na autonomia econômica feminina.

O programa que, inicialmente, era feito apenas pelas alunas dos cursos de capacitação oferecidos pela pasta, agora será ampliado e vai ser ministrado nos equipamentos do Governo do Distrito Federal (GDF) que acolhem e acompanham mulheres em situação de vulnerabilidade e de violência doméstica e familiar, como os Centros Especializados de Atendimento à Mulher (Ceam), os Núcleos de Atendimento aos Autores de Violência Doméstica (Nafavd), além dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras), dos Centros de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e dos centros de saúde.

Para debater o tema, a SMDF organizou o 1º workshop Realize, em Brazlândia, que reuniu mulheres de diferentes idades, profissões e, inclusive, quem está em busca de descobrir uma carreira. “Aqui estamos aprendendo a lidar não só com os nossos negócios, mas também com a nossa vida”, definiu Nelcimar Santarém, uma das participantes.

“O objetivo é levar o programa para todas as regiões do DF e atender as redes, além dos equipamentos, que têm relação com o enfrentamento à violência, para inserir essas mulheres em situação de vulnerabilidade em uma nova proposta de desenvolvimento de suas competências emocionais e profissionais”, afirma o agente social Dênis Reis, coordenador da iniciativa.

Realize em rede

As moradoras de Brazlândia foram as primeiras a participar do Realize, mas, em breve, o programa chegará a outras regiões administrativas (RAs). A ideia é que, preferencialmente, vítimas de violência ou aquelas em situação de vulnerabilidade, que são atendidas pelos equipamentos da SMDF ou por uma das unidades integrantes da Rede de Enfrentamento e Combate à Violência do DF, participem do programa. Mas a proposta é aberta a todas que se interessarem pela metodologia.

A ação ocorre em três etapas, que incluem um curso com três encontros, de quatro horas cada um. Além disso, cada aluna recebe acompanhamento e orientação individual, por seis meses, por meio de encontros semanais, quinzenais ou mensais. Nesse período, são criados espaços de reflexão sobre trabalho e de troca de experiência e de conhecimento sobre autonomia econômica. Além disso, são apresentadas ferramentas para que elas possam traçar um planejamento profissional personalizado e empreendedor.

“O objetivo do Realize é fazer essa jornada interior, de autoconhecimento, que vai potencializar e transformar essa mulher e a perspectiva que ela tem da vida, para que ela alcance seus objetivos”, acrescentou Dênis Reis.

*Com informações da Secretaria da Mulher do DF

Por Agência Brasília com informações de Sueli Moitinho

Foto: SMDF / Reprodução Agência Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui