Festival de robótica reúne estudantes de todo o país no DF

Realizado há 10 anos pelo Sesi, o festival reúne mais de 2.500 participantes de todo país até este sábado (18/03)

81
Brasília (DF) 16/03/2023 Festival Sesi de robôtica reune mais de dois mil estudantes na capital

Aos 11 anos, Arthur Dutra, já monta robôs com a destreza de um profissional. O estudante do 7º ano saiu de Vilhena, em Roraima para participar do Festival de Robótica realizado pelo Serviço Social da Indústria (Sesi), na capital federal. Nesta edição, os problemas que estudantes de 9 a 19 anos precisam resolver estão relacionados à energia.

“Somos da Elev3r e viemos competir, o importante é aprender e também se divertir. O trabalho foi enorme para poder chegar, acredite nos seus sonhos que você vai conseguir”, cantava Arthur, ao lado de seis outros colegas da equipe, com os mesmos capacetes vermelhos.

Entusiasmado para encontrar respostas para os desafios propostos pela competição com pequenos robôs feitos de peças de Lego, Arthur é responsável por construir e operar robôs em sua segunda participação na competição.

“Nós temos que montar os robôs sem manual e em versão até menos atualizada do que estamos acostumados. Mas aqui a gente tem a chance de criar e vamos por tentativa e erro para ver o que vai funcionar melhor. O mais legal do desafio é o conjunto todo: montar os robôs, ver os amigos, aprender programação e trabalhar em equipe”, disse.

Para a técnica da equipe de Arthur, a professora Lorines Cezne, de 42 anos, o grande benefício da competição é treinar capacidades dos alunos para solucionar problemas.

“O torneio e a própria robótica são formas de mostrar aos jovens como ter autonomia no dia a dia para a vida profissional. Os conceitos que aprendem aqui, levam para vida e dão a eles um leque de possibilidades. Aqui temos o trabalho em equipe, como lidar com as emoções e frustrações do dia a dia”, explicou. “Não existe rivalidade, temos que reforçar o companheirismo e um ajuda o outro. Essa é uma forma de mostrar ao jovem que se acontecer alguma coisa errada, não precisa se frustrar, são desafios da vida”, acrescentou.

Segundo Cezne, em edição anterior, seus alunos desenvolveram um projeto para solucionar um problema frequente na escola: a falta de controle remoto para acionar o ar condicionado.

“Muitos aparelhos de ar condicionado que ficavam sem funcionar porque não encontrávamos ou não tínhamos o controle remoto. Então, os alunos criaram uma placa acoplada ao chaveiro, com mecanismo para ligar o aparelho e todos os professores tinha na mão”, contou.

Fórmula 1

O festival conta com o projeto educacional da Fórmula 1, que incentiva estudantes a montarem escuderias, com três a seis integrantes. As equipes constroem um carro em miniatura, réplica dos carros oficiais de corrida, que, impulsionados por um cilindro de CO2, podem chegar a 80 km/h em uma pista de 24 metros de comprimento.  A equipe vencedora da categoria participará do Grande Prêmio de Cingapura, em setembro.

Em sua primeira participação na competição, a estudante mineira Maria Eduarda Brito, de 16 anos, contou que a entrada em um projeto de robótica ligado à Fórmula 1 aconteceu por motivos afetivos. “Desde pequena, acordava cedo aos domingos para assistir Fórmula 1 com meu pai e isso me incentivou a fazer parte dessa equipe”. “Pretendo fazer medicina e a robótica me ajuda com relações humanas. Eu gosto de tentar entender o ser humano, o cérebro das pessoas, de estar integrada e tentar ajudar. Aqui tem tudo isso”, contou.

Davi Roberto, um dos seis parceiros de equipe de Maria Eduarda, destacou que a categoria estimula os estudantes a atuarem como se estivessem em uma startup de Fórmula 1 para desenvolverem diversos aspectos, como organização de empresa, gestão de pessoas, além da parte de engenharia.

“A competição julga diversos aspectos e a ‘estrela do projeto’, que é a corrida, vale poucos pontos. Isso estimula todos os participantes a se empenharem igualmente”, descreveu.

Cidadãos

Realizado há 10 anos pelo Sesi, o festival reúne mais de 2.500 participantes de todo país até este sábado (18). Diariamente, cerca de 3 mil pessoas passaram pelo local, entre caravanas de estudantes e visitantes. Para o diretor de operações do Sesi, Paulo Mól, o festival de robótica estimula a busca de respostas para problemas reais do cotidiano.

“A gente acredita na robótica como um modelo diferente para educação do século 21. De maneira que a construção do conhecimento pode acontecer com impacto social, estudantes se divertindo, aprendendo brincando. O festival trabalha vários temas, os participantes têm que analisar o contexto, quais os problemas vão resolver. Nos projetos sociais, estimulamos que os estudantes pensem de que maneira a robótica pode ajudar até mais do que ciência e tecnologia na construção de cidadãos”, argumentou.

Com informações da Agência Brasil

Por Redação do Jornal de Brasília

Foto: Fábio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil / Reprodução Jornal de Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui