Projeto que ensina produção de pães artesanais é lançado no DF

Uma cerimônia reuniu a madrinha do projeto Padaria Artesanal e segunda-dama do Brasil, Lu Alckmin, Dom Paulo Cezar Costa e o Frei Rogério Soares nesta segunda-feira (6/11). Ação vai qualificar pessoas de baixa renda em paróquias e outros centros religiosos do DF

40

O projeto Padaria Artesanal foi lançado, na manhã desta segunda-feira (6/11), no Distrito Federal. A cerimônia ocorreu na unidade Polo, estabelecida na Paróquia Sagrado Coração de Jesus e Nossa Senhora das Mercês, na 615 Sul. A ação de inclusão e qualificação profissional é gratuita e conta ainda com 30 outros locais em várias regiões da capital para atender à população interessada. O evento teve a presença da madrinha do projeto e segunda-dama do Brasil, Lu Alckmin, do arcebispo de Brasília, Dom Paulo Cezar Costa, e do pároco Frei Rogério Soares.

Madrinha do projeto Padaria Artesanal e segunda-dama do Brasil, Lu Alckmin se emocionou e destacou a importância da ação social. “É um dia de curso das 8h às 17h, que ensina a fazer 10 tipos de pães nutritivos, saborosos e de alto valor comercial. As receitas são muito fáceis e de custo baixo, gerando emprego rapidamente”, explicou. “Logo que os alunos chegam, eles têm aulas teóricas, aprendendo noções de ética, cidadania, saúde e higiene. Depois é a aula prática que tem a mão na massa, onde eles farão os pães. No final da tarde, eles experimentam tudo”, detalhou.

O lançamento oficial da unidade Polo do projeto Padaria Artesanal dará início aos trabalhos de qualificação profissional com a formação de cerca de 100 agentes multiplicadores de conhecimentos de panificação no Distrito Federal e entorno, segundo a Arquidiocese de Brasília. A proposta da iniciativa do projeto de panificação artesanal é ensinar às pessoas de baixa renda todas as etapas para a produção dos pães, por meio de processos caseiros, sem a utilização de equipamentos especiais ou conservantes.

A unidade na Paróquia Sagrado Coração de Jesus e Nossa Senhora das Mercês teve o espaço reformado e equipado para permitir a realização das aulas teóricas e práticas do projeto. A iniciativa é uma parceria entre a Arquidiocese de Brasília, Senai, Senac, Sebrae e empresas da capital federal. As entidades cadastradas, que se tornam agentes multiplicadores, receberam os kits do Projeto Padaria Artesanal compostos por itens fundamentais na produção das receitas do projeto, como forno a gás, liquidificador, fôrmas e uma mesa de aço inox.

Administrador da unidade Polo e pároco, Frei Rogério Soares ressaltou que o projeto está de portas abertas para todas as pessoas que queiram aprender a fazer pão. “Nós vamos inaugurar 30 padarias artesanais de uma só vez. Aqui é onde as pessoas vão aprender e esses multiplicadores vão voltar para as suas comunidades no DF e no entorno para ensinar as outras pessoas. Então, é um efeito multiplicador”, comentou.

Quem tiver interesse em aprender sobre a produção de pães deve procurar a paróquia e encontrar a unidade próxima do local onde mora. “Vamos ter sempre aulas e vamos ampliar também para mais lugares. É um projeto simples e, ao mesmo tempo, transformador”, afirmou o frei. O projeto conta com unidades em Sobradinho, Samambaia, Estrutural, Sol Nascente, Itapoã, além de outras regiões administrativas. “Vamos ter dois polos em Alexânia, enfim, a ideia é que mais empresários se sensibilizem e doem kits”, destacou o pároco. A maioria das padarias artesanais estão localizadas em paróquias. No entanto, também há unidades em outros centros religiosos de matriz africana e espíritas, além de associações sociais.

Arcebispo de Brasília, Dom Paulo Cezar Costa destacou a iniciativa da segunda-dama em trazer o projeto, iniciado em São Paulo, para o DF. “Para nós é uma grande alegria fazer essa parceria. É um desejo de que as pessoas vivam com dignidade e a padaria artesanal quer ser uma ajuda para as pessoas. É uma forma de aumentar a renda familiar”, disse. O arcebispo realizou uma oração e abençoou a unidade. “Para fazer o bem é preciso que todos os atores da vida da sociedade estejam unidos para a construção do bem e pela luta pela dignidade humana”, destacou

Por Júlia Eleutério do Correio Braziliense

Foto: Arthur Ramos/CB/DA Press / Reprodução Correio Braziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui